Seduzir com prazer

Ao criar este blogue, a ideia foi partilhar a minha experiência adquirida ao longo de 15 anos de frequência em sites, chats e redes sociais. Teclei, conversei, conheci muitas pessoas e vivi experiências que foram a vertente prática da minha aprendizagem. A net, com a possibilidade de nos relacionarmos anonimamente, veio trazer novas formas de interagirmos uns com os outros.

O objetivo deste blog é, através da partilha, ajudar a que todos nós compreendamos melhor esta nova realidade, e com isso estimular a reflexão de temas como o amor, o sexo e os relacionamentos em geral. Assim, publicarei algumas histórias por mim vividas, reflexões, informação que ache relevante, históricos de conversas, e algumas fotos sensuais de corpos de mulheres com quem troquei prazer e que tive o privilégio de fotografar. Todos os textos e fotos que vou publicando, não estão por ordem cronológica, e podem ter acontecido nos últimos 15 anos ou nos últimos dias. Todas as fotos e conversas publicadas, têm o consentimento dos intervenientes.

As imagens publicadas neste blogue estão protegidas pelo código do direito de autor, não podendo ser copiadas, alteradas, distribuídas ou utilizadas sem autorização expressa do autor.


31.8.15

IS033 Depilação genital feminina

Um dia destes, publiquei aqui uma reflexão que falava da depilação genital feminina. Na sequência, uma amiga enviou-me um texto em que fala do mesmo tema, mas explica ao pormenor, o que acontece quando se faz depilação genital feminina. Vale a pena ler e perceber o que está a fazer ao depilar-se. Publico também uma foto de uma coninha, depois de ser massacrada com uma depilação total, e depois de começarem a aparecer os pelos encravados, as borbulhas e os quistos. A cona não fica mais saudável, nem sequer mais bonita. Reparem que os pelos encravados, as borbulhas e os quistos, só aparecem na zona dos pelos genitais onde foi feita a depilação, já que no resto do corpo não tem esse problema.

"Depilação íntima: Pela sua saúde, não tire tudo

A pilosidade genital tem como principal função proteger o órgão sexual. A sua extração pode provocar infeções, principalmente em atletas. Se é adepta da depilação íntima deve ler este artigo

Cara leitora: nesta altura do ano, e depois de algumas tentativas falhadas de tentar manter dentro do biquíni alguns pelos rebeldes, pode começar a considerar a possibilidade de uma operação de extermínio massiva. Pode até acreditar que é mais higiénico e que, ao depilar-se por completo, irá transpirar menos na zona das virilhas. Mas será que é assim tão simples? 

Se a expressão 'depilação púbica' - seja ela brasileira ou integral - está a ganhar forma na sua mente, saiba que nem tudo o que reluz é ouro e pode estar a prejudicar a sua saúde genital. 

A culpada é a mãe natureza que "fez com que o pelo fosse mais curvo do que em outras áreas corporais", explica Ramón Grimalt, coordenador do grupo de tricologia (estudo do pelo/cabelo) da Academia Española de Dermatologia y Venereología (AEDV). 

Ao depilar-se com cera, um ato aparentemente inofensivo, está a arrancar o pelo. E é aqui que começa o verdadeiro inferno. Ao brotar de novo, os pelos devem rasgar a pele para prosseguir com o crescimento. Porém, nem sempre conseguem terminar o processo de forma natural, "sobretudo se a pele estiver ressequida ou for especialmente grossa, características mais comuns em mulheres das raças negra e latina". Infelizmente, ele é teimoso e, se não puder sair, irá ficar a meio caminho - dentro da derme. Por outras palavras, pode infetar e formar um quisto - como o pelo não sai, produz-se uma pequena inflamação, desenhando o cenário ideal para o ataque das bactérias, que se irão aninhar no folículo, segundo o especialista -, dando lugar a caroços que, em alguns casos, podem atingir grandes dimensões. 

As depiladoras elétricas ou as giletes são objetos que cortam o pelo, em vez de o arrancarem, mas a sua utilização também pode ter consequências menos boas: "como cortam o pelo em sentido oblíquo, por vezes, a secção do pelo assume uma forma afiada e tende a dar a volta e cravar-se na pele", aponta a Dra. Josefina Royo, subdiretora do Instituto Medico Láser. "Isto também acontece com a cera, quando não se chegam a arrancar por completo. Assim, não se eliminam de raiz, mas partem-se e a curvatura do pelo será maior, acabando por penetrar a pele." 

Se já sofreu de algum problema deste tipo, tenha cuidado. "Estes pacientes devem manter a pele cuidadosamente limpa e hidratada, exfoliar mas sem abusar e lavar a zona com um gel antissético, para evitar infeções", aconselha Grimalt. Os casos mais severos, acabaram numa micro cirurgia, para extrair o pelo e limpar a área de pele afetada. 

Há alguma maneira de eliminar os pelos púbicos sem causar uma 'carnificina'? 

Até agora, a única técnica que permite eliminar o pelo e reduz os riscos de infeções é a depilação a laser: "como elimina o folículo, o pelo não volta a sair e, portanto, não há preocupação quanto à formação de quistos." 

Se ainda não se deparou com nenhum problema, o mais provável é que isso não dure para sempre. A pele da zona genital, para além de ser bastante delicada, está submetida a constante fricção e não estamos a falar apenas da fricção que algumas mentes possam ter imaginado. A fricção com a roupa, por exemplo, irrita a pele. Os atletas, que normalmente usam roupas apertadas e de materiais mais sintéticos, têm maior tendência em desenvolver irritações - porque a pele depilada fica mais sensível, está em contacto direto com a roupa e o suor agrava a situação. 

O ginecologista Andrew De Maria do Centro para a Investigação Interdisciplinar para a Saúde da Mulher, do departamento de obstetrícia e ginecologia da Universidade do Texas, liderou um estudo sobre as complicações posteriores da depilação íntima. Das 369 mulheres que participaram no estudo, com idades compreendidas entre os 16 e os 40, que afirmavam fazer a depilação integral da zona púbica, 60% confessava ter tido, pelo menos numa ocasião, alguma complicação de saúde. 

Uma das conclusões do estudo é que as mulheres com peso a mais/obesas têm maior probabilidade de sofrer deste tipo de transtornos, já que a pele sofre mais fricção (zona das virilhas)."

Fonte: Aqui

2 comentários:

T* disse...

Mas nem todas as pessoas tem dinheiro para fazer depilação a laser, por isso mais vale ir aparando-os com uma tesoura.

Mas melhor mesmo é andarmos com a nossa zona genital tal e qual como queremos e gostamos, sem pressões da sociedade.

xarmus disse...

É isso tudo T*. Mas tudo é melhor do que arrancar os pelos genitais, ou cortá-los de gillete. Apará-los com uma tesoura, ainda é a melhor hipótese.