Seduzir com prazer

Ao criar este blogue, a ideia foi partilhar a minha experiência adquirida ao longo de 15 anos de frequência em sites, chats e redes sociais. Teclei, conversei, conheci muitas pessoas e vivi experiências que foram a vertente prática da minha aprendizagem. A net, com a possibilidade de nos relacionarmos anonimamente, veio trazer novas formas de interagirmos uns com os outros.

O objetivo deste blog é, através da partilha, ajudar a que todos nós compreendamos melhor esta nova realidade, e com isso estimular a reflexão de temas como o amor, o sexo e os relacionamentos em geral. Assim, publicarei algumas histórias por mim vividas, reflexões, informação que ache relevante, históricos de conversas, e algumas fotos sensuais de corpos de mulheres com quem troquei prazer e que tive o privilégio de fotografar. Todos os textos e fotos que vou publicando, não estão por ordem cronológica, e podem ter acontecido nos últimos 15 anos ou nos últimos dias. Todas as fotos e conversas publicadas, têm o consentimento dos intervenientes.

As imagens publicadas neste blogue estão protegidas pelo código do direito de autor, não podendo ser copiadas, alteradas, distribuídas ou utilizadas sem autorização expressa do autor.


28.10.12

R015 Sem peso na consciência

Recebi um dia destes o seguinte comentário à minha reflexão “R003 Diferença de idades”:

“Sou um homem maduro.....liberal e para os menos afortunados existe sim o pensamento da diferença de idade.....mas para as pessoas que procuram a essência de viver os impulsos naturais do desejo...atração e prazer.....isto passa ao longe, pois qdo existe a afinidade....as diferenças somem..........”

Achei que este comentário merecia uma resposta mais aprofundada da minha parte, por ser um tema tabú, e em vez de escrever apenas umas linhas, decidi expor o meu ponto de vista.

Para fazer um enquadramento desta minha reflexão, devo dizer que sou um homem liberal, que me livrei das formatações “morais” e que não alinho nas normatividades que esta sociedade opressora teima em nos incutir. Faço nudismo, ando nu em casa, mijo contra uma árvore e cago de porta aberta. Não me sinto nada condicionado pelos preconceitos morais, e vivo a minha sexualidade de forma livre e assumida.

Eu sei que para muita gente o sexo é uma prática pouco frequente, que só se pratica com alguém muito especial e em condições muito especiais, mas para mim o sexo é uma prática natural, muito frequente, em que basta haver vontade entre duas pessoas para se consumar. Como costumo dizer, tenho o complicador desligado. Tenho sexo com uma amiga, com a mesma facilidade com que vou jantar com ela, tenho uma boa conversa ou vou ao cinema. Vivo o sexo de uma forma natural, lúdica e divertida, e mais do que apenas o prazer do sexo, procuro o conhecimento do outro, enquanto ser humano.

Dito isto, devo dizer que quando me embrulho com uma mulher muito mais nova e com pouca experiência sexual, eu que sou dominador e costumo dirigir as manobras, assumo uma atitude neutral e decidimos em conjunto o programa de festas. Conversamos acerca das vontades, limites e curiosidades ou fantasias da parceira, para que seja uma experiência gratificante. É uma prática divertida e bem disposta, onde lhes posso ensinar a ter e dar prazer de forma desejada e desinibida. Digamos que é uma experiência sexual pedagógica.

Mais do que a idade, o que me faz ter uma atitude colaborante e alinhar nos desejos de cada mulher, é a experiência ou a idade sexual que as parceiras possam ou não ter. Porque se por um lado há mulheres com 18 anos com muita experiência, que gozam e se divertem de forma muito mais desinibida e depravada do que muitas mulheres com 40 anos, há outras com 45 anos que são tímidas, cheias de tabus em relação a certas práticas, e formatadas ou mesmo traumatizadas por uma educação sexual opressiva e desinformada.

Tenho encontrado mulheres de todas as idades muito mal tratadas nesse aspeto. Com experiencias sexuais muito pouco gratificantes, ou mesmo traumatizantes, que geram inseguranças e resultam numa baixa auto-estima. Muitos homens ainda são egoístas, prepotentes e castradores, e nem sequer têm a sensibilidade suficiente para perceber que quando fazem determinadas afirmações e/ou tomam certas atitudes deixam as mulheres completamente destroçadas.

Relacionarmo-nos sexualmente com pessoas muito mais novas que nós, pode ser bom ou mau para elas, dependendo da atitude com que o façamos. Se formos com uma atitude egoísta, e não levarmos em conta a sua inexperiência e não respeitarmos as suas vontades e limites, pode ser mau. Se formos com uma atitude altruísta e dispostos a proporcionar uma boa experiência à jovem, pode ser muito bom, e até limpar alguma má imagem que possam ter do sexo em experiências ou relacionamentos anteriores. Deixo-as sempre consoladinhas, felizes e com a auto-estima em alta..

É tudo relativo. Se jogarmos às cartas com uma criança, e lhe ganharmos consecutivamente, tirando partido da sua inferioridade, é certamente humilhante e traumatizante para a criança. Se em vez disso, formos jogando de forma divertida, ensinando uns truques e dando dicas, e deixarmos a criança ganhar a maior parte das vezes, e as que nós ganharmos sejam por margens pequenas e vitórias bem suadas, estamos a contribuir para a sua aprendizagem, proporcionando-lhe uma experiência gratificante e enriquecedora a todos os níveis.

Devido à forma como interajo com mulheres que têm grande diferença de idade ou experiencia da minha, tenho a certeza que os meus encontros sexuais são benéficos e gratificantes para elas, e por isso não me pesam na consciência.

Um bom exemplo do que acabo de dizer é a história “H010 Pura química”. A Reflexão “R007 Qualidade na variedade” também ajuda a perceber a razão pela qual eu não preciso de impor a minha vontade ou forçar qualquer tipo de prática com mulheres mais novas ou com pouca experiência, ou até com gostos e vontades diferentes das minhas.

xarmus

14 comentários:

Anónimo disse...

A diferença de idades de facto não importa, nada!!

A questão que poderá colocar-se é se as amigas muito mais novas ou com menos experiência, terão a maturidade suficiente para encararem a vida sexual pós-Xarmus??? É que tu de facto não tens comparação, mesmo!!!

Como será que elas irão viver o facto de a grande maioria dos homens não estarem minimamente interessados no prazer delas???

Como será que irão ficar depois de perceber que as horas intermináveis de prazer que tinham contigo, não são possiveis de ter com a maioria dos outros???

Como será que irão ficar depois de perceberem que os mimos com que nos presenteias, a disponibilidade que mostras em que estejamos também a gostar, o querer saber o que nós queremos, nos outros é quase inexistente???

Beijos molhados e sentidos
Bárbara 36

xarmus disse...

Olá minha querida

Questão pertinente, de facto.

Eu tenho reparado que esse problema se põe não apenas nas amigas mais novas ou inexperientes, mas na generalidade das mulheres, mesmo as mais experientes.

Mas concordo contigo no facto de as mais novas ou inexperientes terem mais dificuldade de lidar com a situação, e sentirem alguma frustração se as experiências seguintes não forem tão boas.

De qualquer modo, continuo a pensar que é benéfico para qualquer mulher independentemente da idade ou da experiência, ter a possibilidade de conhecer e experimentar o prazer do sexo na sua plenitude, com tudo a que têm direito, e ter o prazer de ter uma experiência que lhes seja gratificante, até para saberem que o bom sexo existe, e saberem o que procurar nos outros homens.

Acho que depois de eu as levar "lá", fica mais fácil para elas irem "lá" com outros homens, e até os levarem pela mão se for caso disso. pelo menos sabem que o "lá" existe, e que já lá foram uma vez. Fica mais fácil de procurar o caminho, tentando fazer o mesmo percurso que fizeram comigo.

Mas gostei de conhecer o teu ponto de vista, e de facto... não tinha pensado nisso dessa forma.

Obrigado por partilhares o teu pensamento.

Beijocas boas minha querida

Anónimo disse...

De facto é preciso encarar o pós-Xarmus como um período em que já sabemos o quão longe conseguimos ir... E conseguimos levar!!! Em que conseguimos saber o que queremos e mais importante ainda, o que não queremos mais!!!

E o melhor é mesmo não fazermos comparações, porque isso pode dificultar as experiências e torná-las frustantes!

Aceitarmos as diferenças dos outros, a menor experiência, a maior falta de atenção e tentar que tudo isso se torne numa experiêcia positiva e gratificante para ambos!!! Enfim... Aproveitar aquilo que nos transmites... Porque tu não és só muito bom sexo, tu és um ser extraordinário!!!

Obrigada por teres libertado a minha alma!!!
Obrigada por me teres aberto os horizontes!!!
Obrigada por me teres tornado melhor pessoa para comigo e para com os outros!!!

Beijos molhados e sentidos

Bárbara 36

Patrícia_39 disse...

Pois é. Já disse isto várias vezes: o Xarmus estragou-me...nunca mais me contentarei com menos. Menos atenção, menos respeito. O resto é uma questão de maturidade. Nem todos podem ser campeões da maratona, mas nem por isso somos menos válidos.

xarmus disse...

Ai Bárbara... assim deixas-me sem jeito... a babar.

Não te esqueças que o prazer que temos, não é só graças a mim... tu também tens uma boa parte do mérito. Se não fosses como és, se não te entregasses incondicionalmente, não conseguíamos ter o prazer que temos.

e sim... tens razão quando dizes que o melhor é não fazeres comparações. O melhor é mesmo tentares adaptar-te ao gajo com quem estás, e tentar tirar o melhor partido do que ele tem para te dar.

não tens que agradecer nada minha querida, foi sempre um prazer privar contigo.

... e espero que consigamos encontrar-nos de vez em quando para não perdemos a prática... hehehehe

Beijocas boas minha querida

xarmus disse...

Olá Patrícia

Então ando a estragar a menina? e eu a pensar que andava a fazer bem à menina e ao seu ego... afinal ando a "dar cabo" da menina... hehehehehe

Beijocas minha querida

Cláudia 19 disse...

Tenho 19 e já estive com este pedaço de mau caminho que é o Xarmus...

Foi maravilhoso de facto, nunca tinha tido tanto prazer na minha vida. Depois de estar com ele não estive com mais ninguém, mas acredito que será difícil lidar com homens mais egoístas no futuro. Mas isso é em todas as idades como o Luís já tinha dito.
E uma coisa que ninguém referiu, e que acho essencial (pelo menos para mim) é o sentimento que nutrimos pela pessoa com quem temos sexo. Eu pelo menos consigo ter muito mais prazer e sair muito mais satisfeita se amar o homem com quem estou. O sentimento actua directamente no meu prazer sexual, e é por isso que quando estou com homens por quem não sinto nada, não me venho.
Com o Xarmus foi diferente, mas também ele é uma excepção à regra :) Como todas sabemos :)

Anónimo disse...

Oi como vai? Acho que o problema da diferença de idade esta na cabeça das pessoas mal informadas, ja me relacionei com um cara 15 anos mais velho e senti muito pre-conceito da minha familia em relaçao a ele. Quando o tema é satisfação sexual, a idade realmente não influencia e sim acrescenta prazer, uma vez que o outro sabe o que fazer para agradar. Queria dizer que tô mega viciada no seu blogger, e queria saber o seu segredo pra ser tão irresistível na cama........abraços!

xarmus disse...

Olá Cláudia

Ainda bem que gostaste. Eu também gostei muito. És uma delicia de mulher, e foste uma querida. Foi pens nunca mais conseguirmos acertar agendas, porque acredita que pode melhorar.

Em relação ao sentimento e ao sexo, vou um dia destes publicar uma coisa gira.

Aqui está um exemplo de uma rapariga com pouca experiência, e que gostou de estar comigo. Ou seja, apesar da nossa grande diferença de idades e de experiência, o sexo comigo foi gratificante para os dois. Ilustra bem esta meu post.

Espero que em breve consigamos voltar a estar juntos, vais ver que vai ser melhor ainda. Como já nos conhecemos, vamos estar mais à vontade um com o outro e vai dar para fazer outro tipo de brincadeiras.

Obrigado por teres comentado, o teu contributo veio mesmo a propósito neste post.

Beijocas boas

xarmus disse...

Olá Anónima das 04:09 (hora de Lisboa, no Brasil deviam ser 00:09)

É verdade que há muito preconceito com isso, e por ser tabu, achei por bem publicar este post mostrando o meu ponto de vista acerca do tema.

Em relação à tua questão, não serei a pessoa indicada para te responder... mas vou tentar responder-te baseado (não é para fumar) naquilo que sei que as mulheres gostam em mim. Vou parecer convencido, mas como quase todas as pessoas antes de me conhecerem me acham convencido, já que da fama não me livro, também posso ter o proveito.

Para além das minhas excelentes características de carácter e personalidade que se reflectem obrigatoriamente no sexo, e que fazem toda a diferença, tenho um bom corpinho, sou charmoso, e tenho um piço enorme, grosso e rijo.

Também Já percebi que as mulheres gostam muito da minha pele macia, das minhas mãos, da minha língua, do meu cheiro e do meu sabor.

Mas o meu grande trunfo é de facto a atitude. Eu gosto mesmo muito de mulheres, e gosto delas no seu conjunto. Gosto do corpo feminino, e gosto da sensibilidade feminina. As mulheres são um ser complexo, e às vezes difíceis de compreender, mas se as tratarmos com respeito e com carinho, são uns seres extraordinários. Por isso respeito-as (mesmo quando no sexo abuso delas e lhes chamo muitos nomes feios), e gosto de lhes dar prazer. Gosto que se sintam bem, gosto de lhes dar a liberdade de escolher, de fazerem ou não fazerem o que quiserem, sem cobranças nem obrigações. Tudo é conversado e consentido, nada é imposto ou forçado. (maus tratos incluídos).

Devido a esta minha atitude natural para com as mulheres, elas sentem que podem confiar, e aproveitam para se entregar, (muitas vezes incondicionalmente, deixam-me fazer tudo), e viverem experiências mais arrevesadas, que não conseguem viver com outros homens por quem não se sentem respeitadas, que não merecem a sua entrega, e em quem não confiam.

O respeito pelas mulheres não é uma coisa que se possa fingir ou comprar. Ou se tem ou não se tem. Embora a maior parte dos homens não faça a mínima ideia, o respeito e a confiança transparecem num olhar, numa palavra, num gesto, numa atitude, e a extrema sensibilidade das mulheres mesmo inconscientemente, capta cada pequeno gesto. Eu oiço muitas vezes “não sei porquê, e posso arrepender-me, mas sinto que posso confiar em ti”.( As duas ultimas que cortei aos bocados com a motosserra disseram-me isso… hehehehhe)… ai este meu humor negro.

Já tive experiências e provas de confiança que até a mim me espantam. Mulheres casadas que ao fim de uma hora de conversa no msn, se encontram comigo pela primeira vez e se deixam amarrar ao fim de 5 minutos de estarem comigo, entregando-se completamente nas minhas mãos.

Mulheres que nunca tendo experimentado sexo anal, ou já tendo tido más experiências, me pedem para experimentar papar-lhes o rabinho, apesar do tamanho do gostoso, porque sentem que comigo têm a oportunidade de ter uma boa experiência anal, por ser alguém em quem podem confiar.

O segredo para um excelente sexo, é de facto a confiança, a intimidade e a entrega, e infelizmente nem todos os homens conseguem despertar essa confiança nas mulheres. Não havendo confiança, não há intimidade nem entrega e a relação mesmo que pontual, fica logo condenada à partida.

Espero ter respondido à tua pergunta.

Beijocas deste lado do oceano

debora Debinha disse...

Respondeu sim, mas depois que voce disse "tenho um piço enorme, grosso e rijo" não prestei muita atenção no resto....rs, você deve ser um pedaço de mal caminho, contudo seu único defeito é morar tão longe.....abraços da sua nova fã!

xarmus disse...

Olá Debora... hahahahahahah... já me fartei de ir... agora estiveste bem.

Pois... se não tivessemos o Atlântico a separar-nos podia esfodaçar-te todinha até vir o comunismo... ou em brasileiro... até mandá párá.

esfodaçar-te = trepadeirar-te

Beijocas boas

Anónimo disse...

Ora aqui está o post que eu procurava...:)

Tenho que falar com as tuas amigas Patricia e Bárbara para saber qual a medicação de antidepressivos e ansiolíticos mais eficaz para tomar na Era pós-Xarmus .

hehehehe
Bjos

Niniche

xarmus disse...

Pois... parece ser uma fase complicada. Mas não te posso ajudar porque eu nunca sofri dessa era pós-xarmus.

Beijocas